CategoriaBlog

Privatização da Eletrobrás

Por esses dias aqui na nossa região circulou uma postagem no Facebook questionando algumas coisas referentes a Energisa, a concessionária de energia elétrica. Especificamente, sobre valores cobrados como impostos, serviço de transmissão, etc. Em todo o Brasil a conta de energia é sempre bem cara por termos um sistema defasado e com custo elevado, que é repassado para o consumidor.

Mas isso está prestes a mudar: https://economia.uol.com.br/noticias/reuters/2019/11/05/bolsonaro-assina-projeto-de-lei-sobre-privatizacao-da-eletrobras.htm

Na notícia acima publicada no UOL você pode ler que o governo federal pretende privatizar a Eletrobras (bem como diversas outras empresas estatais) e o resultado disso será economia no nosso bolso.

Como?

Apesar das opiniões contrárias a privatização sempre traz diversos benefícios:

  • Abertura do mercado para a concorrência
  • Melhoria na eficiência dos processos
  • Otimização do quadro de colaboradores e consequente redução de custos
  • Incentivo a inovação (devido a concorrência)

É claro que a economia na conta de energia não irá aparecer da noite pro dia. O mercado de energia elétrica brasileiro é bastante complexo, fechado e com regras arcaicas e resolver todos os problemas levaria anos, talvez décadas.

E outro passo importante que precisaria ser dado é acabar com o sistema de concessionárias, permitindo a livre iniciativa no fornecimento de energia e a concorrência livre entre empresas. Assim como você pode hoje escolher qual provedor de internet quer usar em sua casa.

Atualização sobre “Bradesco querendo pagar de descolado”

Esse post é uma atualização de outro post que escrevi em 24 de julho de 2019: https://www.denisgomes.com.br/2019/07/24/bradesco-querendo-pagar-de-descolado/

Na ocasião falei de o Bradesco querendo abocanhar os clientes que estão correndo para os bancos digitais e resolveu “inovar” oferecendo conta corrente MEI gratuita por um ano, e abertura pelo próprio celular. Então resolvi experimentar.

E a minha opinião é: os grandes bancos não têm qualquer chance contra os bancos digitais.

Abrir a conta pelo aplicativo foi bem fácil, começar a usar também. Os problemas vieram no atendimento, que apesar de cortês e de ter sido contatado por alguém da agência local para me dar as orientações iniciais, deixou a desejar pelo banco como um todo.

Primeiro, não cumpriram oferta: cobraram uma tal de tarifa de cartão não uma, mas duas vezes. O atendente da agência local prometeu resolver o problema mas nada foi feito.

Acho que os grandes bancos dificilmente vão largar o osso de cobrar tarifa para tudo quanto é coisa. Tudo bem, eles possuem estruturas muito grandes e precisam cobrar para manter isso – ou você acha que aquela agência onde você vai e tem um monte de funcionários não tem custo pra ficar lá? 😀

E eu não me importo de pagar por serviços, mas pelo menos devem cumprir o que foi ofertado. Se era sem mensalidade por 1 ano, então…

Segundo, a experiência de abrir e usar a conta não é a experiência com a qual estamos acostumados hoje com a nova geração de bancos. NuBank, Inter, Original e demais bancos nos fizeram conhecer um futuro onde as coisas simplesmente funcionam, de forma simplificada, e o atendimento é simples e direto.

Essa “nova fase” do Bradesco é basicamente mais do mesmo, apenas com uma roupagem diferente.

Até o próprio cartão Next (que eu tenho, e é outra tentativa do Bradesco de estabelecer um banco digital descolado) tem uma experiência que é nitidamente de um banco tradicional – é preciso passar por SEIS telas diferentes (com os correspondentes tempos de espera de carregamento) para fazer um TED para você mesmo em outro banco.

Terceiro, a experiência do aplicativo de internet banking no celular. Ela pode ser apropriada para empresas maiores, onde há uma maior hierarquia e controle sobre as operações. A quantidade de funções também é muito grande para uma pequena empresa.

Acredito que seria interessante o Bradesco reconsiderar isso oferecendo produtos diferentes de acordo com o tamanho da empresa, ou seja, um produto para MEI, outro para pequenas e médias empresas, e outro para grandes empresas. Cada um tem suas necessidades específicas, colocar todo mundo no mesmo balaio não parece adequado.

Por fim, uma palavra sobre o atendimento: além dessa conta empresarial eu também tenho uma conta pessoa física, que também abri para testar. Enviei documentação para alteração de endereço há cerca de uma semana e até agora os documentos não foram analisados. Nos bancos digitais, basta uma conversinha por chat que é tudo resolvido, quando não por dentro do próprio aplicativo.

Wi-fi, velocidades e coberturas

Em minha postagem anterior eu falei um pouco sobre internet de alta velocidade em Tupã, mas o assunto de internet em alta velocidade, obviamente, é interessante a todos e não só aos moradores da cidade ????

Após a instalação da minha conexão, comecei a ponderar sobre a questão da velocidade ao utilizar um roteador wi-fi. E me vieram uns pontos que acredito serem relevantes de se considerar se você pretende ter uma conexão de altíssima velocidade.

A maioria das pessoas utiliza, tanto no trabalho quanto em casa, um roteador wireless (Wi-Fi) para que seja prática a conexão entre computadores, smartphones, tablets, smart TVs e a internet. Claro, afinal não é preciso passar cabos. Muito prático.

Porém o que ocorre é que o protocolo utilizado numa conexão Wi-Fi, conhecido como 802.11, não foi exatamente projetado para permitir altíssimas velocidades. Se você possui conexão a internet com até 100 mbps de velocidade você não tem com o que se preocupar – mas acima disso a coisa fica bem comprometida.

Mas Denis, o meu roteador diz que ele aceita até 300 mbps!

A versão mais recente deste protocolo, chamada de 802.11n, permite sim uma velocidade máxima teórica de 300 mbps, mas uma velocidade prática de cerca de 150 mbps. Além disso para conseguir esta façanha esse protocolo utiliza 3 canais de comunicação. O wi-fi disponibiliza 11 canais de comunicação diferentes, e ao usar 3 canais por vez isso aumenta em muito as chances de interferência com seus vizinhos, o que pode reduzir ainda mais a sua velocidade.

E isso sem falar em interferências com outros dispositivos como teclados e mouses sem fio (que também operam em 2,4 GHz), fornos de microondas, etc.

Além disso o dispositivo que se conectar ao roteador precisa suportar o 802.11n para ter acesso a tudo isso. Se ele for mais antigo ele irá se conectar nos modos 802.11g ou 802.11b, que são mais lentos. Geralmente os roteadores fornecem também esses modos de conexão por questões de compatibilidade.

Mas calma que fica pior: para (talvez) tentar contornar essa situação surgiu mais um protocolo de rede que utiliza uma frequência diferente. O padão no wi-fi é transmitir a 2,4 GHz e o novo protocolo transmite em 5 GHz. É uma frequência diferente e portanto haveria menos interferência e maior velocidade, certo?

Bem, sim e não. Esse novo protocolo permite velocidades maiores (teórica 900 mbps, prática 450 mbps) mas ao custo de um alcance muito reduzido, de no máximo 70 metros sem impedimentos (contra 125 metros do protocolo citado anteriormente). E claro, quanto mais gente usando 5 GHz, maiores as interferências – de novo.

Conclusão

Se você possui internet de alta velocidade – acima de 100 mbps – ou se a sua empresa precisa transmitir arquivos muito grandes em sua rede interna – por exemplo, uma empresa de fotografia ou de edição de vídeos – o wi-fi não é a solução ideal, apesar de toda a sua praticidade.

Se você quer obter a velocidade máxima, você deve conectar seus dispositivos através de um cabo de rede.

Mas isso não significa que você não pode usar o wi-fi. Você pode conectar o seu dispositivo principal – seu computador de trabalho por exemplo, ou o seu videogame (pra você baixar aqueles jogos gigantes) – via cabo, e os demais dispositivos via wi-fi, sem problema algum.

Se você conectar-se somente via wi-fi, pode ser que você não consiga obter a máxima velocidade de sua conexão – e a culpa não será do seu provedor de internet.

E o seu provedor de intenet também deveria lhe orientar sobre isso e não apenas dizer que você deve comprar o roteador X ou Y.

Internet de alta velocidade em Tupã

Estou de mudança para um novo endereço e resolvi aproveitar a promoção de um provedor de internet de fibra óptica da cidade: 240 mbps de velocidade de download por apenas R$ 99,90 por mês. Meu provedor atual oferece 100 mbps por esse mesmo preço. Como é bom ter concorrência ????

Então resolvi fazer essa pequena postagem apenas para indicar os provedores de internet de alta velocidade em Tupã/SP, caso você esteja interessado em instalar ou mudar o seu provedor atual.

Provedores de internet via fibra óptica em Tupã

As conexões são do tipo FTTH, ou seja, fibra até dentro de sua casa. Todos estes provedores possuem cobertura praticamente em todos os bairros da cidade. A lista não está em nenhuma ordem em particular:

  • Migo Internet – com planos entre 25 e 150 mbps de velocidade de download
  • Webby Internet – com planos entre 240 e 500 mbps de velocidade de download
  • Yes Telecom – com planos entre 10 e 200 mbps de velocidade
  • Bit Fibra – com planos entre 30 e 150 mbps de velocidade de download
  • Max Communication – os planos não estão listados no site
  • TV Cabo Tupã (antiga Cabonnet) – com planos entre 10 e 350 mbps de velocidade de download

Duas informações importantes:

  • Planos mais caros (com maior velocidade) só são úteis em situações como download de arquivos grandes (filmes, jogos do Playstation/Xbox, aplicativos, etc) ou upload de arquivos grandes (vídeos de alta qualidade para o YouTube, material para trabalho, etc). Velocidades maiores não costumam afetar coisas como assistir vídeos no YouTube ou Netflix, ou ainda a navegação em geral. A Netflix por exemplo necessita de apenas 5 mbps para vídeos em HD ou 25 mbps para vídeos em Ultra HD (4K).
  • Roteadores wi-fi sofrem bastante com altas velocidades pois o protocolo wireless não foi projetado para lidar com velocidades muito altas. E mesmo roteadores como aqueles que prometem 300 mbps de velocidade acabam sofrendo também com interferências de sinal dentro da sua casa (até mesmo um mouse sem fio poderia causar isso) e com os seus vizinhos que também estão usando roteadores wi-fi. Ou seja: pode ser que você não consiga usar toda a velocidade de internet contratada, e a culpa pode não ser do seu provedor.

Provedores de internet móvel em Tupã

Se você não está em uma área de cobertura de internet via fibra óptica, a internet móvel pode ser uma boa opção. Infelizmente os pacotes ainda são um tanto limitados em consumo mensal, porém a velocidade é muito boa e a concorrência tem feito com que os pacotes aumentem cada vez mais.

Para usar em casa e compartilhar com computadores, tablets e celulares é necessário usar um roteador especial, um que já venha com o slot para o chip, ou um que aceite ligar o modem 4G (nem todos aceitam). As opções de internet móvel são:

  • Claro – 4G muito bom em Tupã, com velocidades entre 5 e 40 mbps. O acesso não é cortado ao final da franquia.
  • TIM – 4G razoável, mas franquias menores que as da Claro.
  • Vivo – A pior operadora na minha opinião, mas muita gente cita a questão da cobertura de sinal, então…

Não citei a Oi porque o mapa de cobertura não mostra um bom sinal para Tupã, embora não tenha testado na prática. Antes de assinar consulte sempre o mapa de cobertura da operadora desejada.

Dica: Mesmo que a operadora não tenha cobertura em sua localização, ainda pode ser possível conseguir sinal usando uma antena repetidora/amplificador de sinal. Esses equipamentos podem captar sinais a até 60 km de distância dependendo da geografia da sua localização.

Provedores de internet via satélite em Tupã

Agora, se você não mora mas se esconde ???? aí o jeito pode ser a internet via satélite, se não houver nenhuma cobertura 3G ou 4G ou se você mora numa região rural muito afastada e não pode/não quer usar uma antena repetidora de celular.

A internet via satélite é a mais cara de todas, mas ela chega em qualquer lugar mesmo. Atualmente temos estes provedores em operação no Brasil:

  • Hughes Internet – Confirmado com disponibilidade de instaladores em Tupã
  • Yahsat – O novato na área, mas ainda não liberou instalação em Tupã

As opções estão aí, cada qual apropriada a uma situação diferente. Avalie o seu caso e veja a melhor opção para você se conectar em alta velocidade à internet.

Vivo sendo Vivo coloca uma pegadinha nos planos Controle

Surpresa nenhuma, afinal se trata da Vivo…

Vi no CanalTech que a Vivo reformulou seus planos Controle. Agora existem duas versões: uma anual (com fidelização) e uma mensal. As diferenças entre eles são:

  • Os planos anuais trazem 500 MB de internet a mais por mês
  • Os planos anuais trazem ligações ilimitadas para todo o Brasil (os planos mensais, somente ligações locais

Mas qual é a pegadinha?

Atenção porque essa é uma inovação no mundo dos negócios. Nunca vi tanta f************* junta.

A fidelização é automática. Se você cancelar antes dos 12 primeiros meses tem multa. Até aí tudo bem, muitas empresas fazem isso para permitir, por exemplo, instalação grátis para novos clientes.

Mas por ser automática, a fidelização é renovada após os 12 primeiros meses, bem como a multa. Ou seja: o único jeito de sair da Vivo sem pagar multa, se você entrar nesses planos anuais, é cancelar o plano exatamente no dia da renovação. Se você cancelar com 3 meses de assinatura, tem multa. Se você cancelar com 20 meses de assinatura, tem multa também. E assim por diante.

Em outras palavras: nunca dá pra cancelar sem multa, exceto em um único dia específico que só ocorre a cada 365 dias.

Leia a matéria do CanalTech, é simplesmente inacreditável.

Bradesco querendo pagar de descolado

Acabei de ver no Twitter que o Bradesco agora tá querendo pagar de descolado.

Eu vi essa oferta de um ano sem tarifas para pessoa jurídica MEI e resolvi baixar o app para abrir a conta e conhecer a oferta. Eu já sou cliente pessoa física e jurídica do Banco Inter e tenho contas em praticamente todos os bancos digitais, resolvi abrir no Bradesco pra… vai que tem alguma novidade, né. Então tá aí a minha experiência:

  • Abrir a conta pelo app foi bem fácil, apesar de ter que preencher uma boa quantidade de dados.
  • Depois de aberta, depositei 15 reais apenas para testar algumas funcionalidades.
  • Algum tempo depois, para a surpresa de ninguém, o banco debitou a primeira mensalidade da conta – e isso que disseram que não cobrariam por um ano. Velhos hábitos são difíceis de quebrar.
  • O gerente da agência local entrou em contato por telefone para me dar as boas vindas e auxiliar em algo. Citei os serviços que precisaria para a minha empresa e citei a questão da tarifa, que ele prometeu verificar. Até agora não estornaram.
  • Um dos serviços que uso é o de cobrança via boleto. Demorou uns bons dias para o banco liberar o serviço na minha conta (precisava de análise prévia) e depois disso eu fui obrigado a abrir o internet banking pelo computador, instalar o módulo de segurança deles (coisa que odeio e nunca faço, e que nenhum banco digital de verdade exige) só para clicar em um link ATUALIZAR CONTA DE COBRANÇA, caso contrário não conseguiria emitir boletos. Nem mesmo o atendente da agência conseguiu fazer isso por mim.
  • O sistema tem uma quantidade inacreditável de opções. Talvez isso seja bom para médias ou grandes empresas, mas definitivamente são muitas opções para uma pequena empresa ou MEI.
  • E claro, como é de praxe em qualquer banco não digital, tem sempre que fazer algum tipo de liberação que só pode ser feita em caixas automáticos. (A propósito: pior ainda o Banco do Brasil, que de vez em quando o aplicativo é atualizado e a validação do celular é perdida, exigindo que eu vá até o caixa automático; já fiz isso umas 4 vezes ao longo do tempo).

E é claro, a galera no Twitter não perdoou:

No Banco Inter, em comparação:

  • Abre a conta por app em 1 ou 2 dias
  • Se já tem conta pessoa física, abrir uma conta MEI é praticamente instantâneo (já que eles já tem os seus dados)
  • Dá pra emitir boletos imediatamente
  • Não precisa instalar nenhum módulo de segurança nem nada do tipo para usar o internet banking pelo PC. É utilizado apenas o famoso token (autenticação OTP) que é ativado pelo próprio celular sem precisar ir a nenhuma agência. O mesmo tipo de segurança OTP é usado por Google, MercadoLivre, Instagram e vários sites quando detectam um acesso incomum.
  • Tem tudo que eu preciso exceto cartão de crédito (isso você pode ter na conta pessoa física) e cheque especial (não uso, mas o Bradesco prometeu verificar pra mim e não liberou nem me deu resposta sobre isso).

Resolvi escrever este post não para puxar o saco do Inter ou para ter alguma vantagem, mas apenas para comparar a velha e a nova geração. Acho engraçado os bancos “velhos” quererem se comparar aos novos que são mais modernos, eficientes e bem alinhados às novas tecnologias e tendências.

Dificilmente um banco – ou qualquer empresa – grande consegue ser ágil e eficiente. É como um lutador grande e musculoso: ele bate forte e pesado, mas é lento. Um lutador magricela tem agilidade e pode conseguir derrubar um grande usando inteligência.

Mulheres, cuidado com o golpe

Quem aqui não conhece a famosa “pirâmide financeira”, não é? Pois agora existe uma nova modalidade que busca dar o golpe em mulheres. Vi no Universa do UOL:

https://universa.uol.com.br/noticias/redacao/2019/07/19/golpe-da-mandala-da-prosperidade-discurso-e-semelhante-a-de-seitas.htm

Lojistas tupãenses com dificuldade em competir

Recentemente o portal Mais Tupã divulgou uma matéria apresentando as preocupações dos lojistas tupãenses frente a realização da popular Feirinha do Brás, onde lojistas da região metropolitana de São Paulo vêm às cidades para comercializar seus produtos, feira esta que foi realizada recentemente em Tupã.

Fiquei consternado com os argumentos apresentados e por isso, na condição tanto de consumidor quanto de microempreendedor na cidade de Tupã/SP (tenho uma pequena gráfica rápida e uma pequena agência web) quero apresentar alguns contrapontos e explorar algumas possíveis soluções, afinal um bom empresário sabe que tem de competir para se destacar e manter o seu negócio vivo pois os consumidores sempre buscam e sempre buscarão o melhor para si não importa aonde. Um bom empresário também dá boas vindas à concorrência, pois é ela que impulsiona a inovação, a eficiência e o surgimento de novos produtos e serviços.

A realização de outro bazar para comercialização de produtos geralmente contrafeitos ou pirateados, conhecida como “Feira do Brás”, provocou indignação entre os comerciantes da cidade.

Parece que esses comerciantes não se deram conta de que não estão competindo somente com a Feira do Brás, mas também com o comércio eletrônico em geral e com os comércios de cidades vizinhas. Porque então só atacar a “Feira do Brás”? E claro, muitos dos comerciantes de Tupã vão justamente ao Brás para buscar produtos para comercializar aqui.

Se os produtos são contrafeitos ou piratas, cabe à Receita Federal fiscalizar isso. Mas no fim das contas os consumidores é quem irão decidir se compram um produto original ou não. Talvez um consumidor prefira, ou queira, adquirir um produto genérico mesmo sabendo disso.

O que não pode ocorrer é a tentativa de enganar o consumidor – como por exemplo em muitos lugares fazem, não só em Tupã: vender caixinhas de som com a marca JBL sem que de fato sejam.

Além de trazer prejuízos ao comércio, os produtos vendidos nestas feiras não têm nenhuma garantia e, portanto, lesam também os consumidores.

Antes de alegar que os produtos dos concorrentes não têm garantia os lojistas devem revisar suas próprias políticas. Não é difícil achar pelo menos 5 lojas na cidade que vendem produtos sem qualquer tipo de garantia, considerando que o mínimo exigido pelo CDC é de 3 meses para produtos duráveis.

Se você quer se destacar na multidão, vá além daquilo que é exigido. Faça mais do que os seus concorrentes, e não apenas o “arroz com feijão”. Por exemplo: existem lojas de roupas que oferecem garantia de satisfação de 30 dias sem perguntas. Quem você acha que vende mais? Esta, ou alguma que só troca a peça se for por defeito (e olhe lá)?

Eles utilizaram as redes sociais para comunicar a população sobre a realização da feira e evitaram fazer maior alarde sobre isso, talvez porque entendessem que não estavam cumprindo totalmente a lei.

Não. Eles fizeram isso porque as redes sociais são a melhor forma de propaganda no momento. Muitos dos meus clientes relatam bons resultados anunciando no Facebook, no Google e no Instagram, com custo menor e muito mais eficiência do que anúncios em jornais e rádios da cidade.

Internet é a mídia do momento e não há volta. Qualquer empresa que não investe pelo menos em anúncios na internet, nas redes sociais, onde quer que for, está por fora e está perdendo potenciais clientes. Claro que a concorrência na internet é muito maior e o comércio eletrônico encurta as distâncias, mas… faz parte do jogo.

Anunciar na internet não é tão caro nem tão difícil quanto possa parecer. E vender online? É muito fácil ter uma loja virtual. Acho estranho os lojistas tupãenses não focarem mais nas vendas online, nem que seja somente para atender às cidades da região (embora com uma loja virtual atenda-se a todo o Brasil).

na luta contra este tipo de iniciativa, que é extremamente prejudicial à economia da cidade

Em outras palavras, “vamos acabar com a liberdade de escolha do consumidor”.

O que é prejudicial à economia da cidade é um comerciante vender um produto 200%, 300% ou mais, mais caro do que em lojas de cidades vizinhas ou lojas online. Em geral, quanto mais caro um produto, menos ele vende. A concorrência existe justamente para promover a eficiência e a redução de custos – e claro, fazer girar a economia.

Da mesma forma, os lojistas de Tupã também poderiam se unir e fazer suas próprias feiras aqui na região – e porquê não? Se os lojistas do Brás conseguiram andar 600 km para realizar este evento, tenho certeza que os lojistas de Tupã conseguiriam andar alguns poucos quilômetros para vender seus produtos nas cidades menores da região como Iacri, Bastos, Herculândia, Quintana, talvez até Pompeia ou quem sabe Marília.

O que está acontecendo aqui é bem simples: empresários indo atrás de consumidores. Tupã também pode seguir este exemplo. Basta alguém liderar isso.

publicaram nota de repúdio no jornal Diário. Intitulado “Quem nos socorrerá”, o texto faz uma crítica profunda à realização do evento

“Quem nos socorrerá” chega a ser engraçado. A principal fonte de renda das empresas é a comercialização de produtos e serviços diretamente aos consumidores, e nenhum consumidor tem obrigação de salvar nenhuma empresa.

Se você quer que sua empresa sobreviva e lucre, invista em atendimento melhor e mais eficiente, busque novidades tanto em produtos quanto na forma de operar, ouça seu consumidor e ofereça aquilo que ele quer comprar, enfim… Quantas vezes eu deixei de comprar algo na cidade porque ninguém tinha ou porque era sob encomenda e teria de esperar 3 dias?

Aliás, esse é um pensamento que sempre tenho comigo. Você não deve se preocupar tanto com os clientes que compram de você. Você deve se preocupar mais com os clientes que deixam de comprar com você. As necessidades desses consumidores não estão sendo atendidas, ou por você ou por outras empresas da cidade – olha a oportunidade aí. É na oportunidade que se cresce e tem lucro.

quanto se arrecadou em impostos?

Se os lojistas da Feirinha do Brás não emitiram cupom fiscal ou nota fiscal eles estão errados. Mas não creio que seriam tão burros a ponto de realizar um evento tão grande sem observar a legislação estadual e municipal.

Quanto a isto, basta os consumidores pedirem nota fiscal. Tanto dos lojistas das feirinhas, quanto dos comerciantes da cidade.

A indignação da Acit e do Sincomércio é perfeitamente compreensível

A associação tem direito à opinião dela e a de defender aquilo que ela acha certo.

Mas o fato é que os consumidores, que são a base da economia, sempre irão buscar benefícios para si próprios. Se os lojistas de Tupã não conseguem oferecer estes benefícios eles vão buscar em outro lugar. Este é o princípio do livre mercado, simples assim.

Se as suas vendas estão fracas ou se o seu negócio não está prosperando como você esperava, não culpe a crise ou os seus concorrentes. Olhe para o seu negócio e a sua equipe, identifique novas oportunidades e faça ajustes. O mercado é altamente dinâmico, não há garantias de que amanhã você continuará lucrando da mesma forma como faz hoje. E se você não acompanhar, você ficará para trás.