Ouvir música enquanto escreve pode mais atrapalhar do que ajudar

Este post foi escrito por Melissa Burkley (PhD) e publicado originalmente em https://www.psychologytoday.com/us/blog/the-social-thinker/201911/does-music-impair-creativity

Com o National Novel Writing Month (NaNoWriMo) em pleno andamento, muitos escritores podem estar procurando maneiras de quebrar seus bloqueios de escritor e aumentar sua criatividade. Uma técnica comum usada por esses escritores é a música.

Quando comecei a escrever romances, criei uma playlist para me inspirar enquanto escrevia. Ela consistia de músicas instrumentais sem letras (principalmente trilhas sonoras de filmes) que evocavam as emoções específicas que eu esperava capturar em minhas composições. E eu não estou sozinha nessa técnica. Pesquisas on-line mostram que a maioria das pessoas ouve música enquanto escreve ou trabalha.

O pressuposto é que a música, especialmente a música clássica e não lírica (pense Mozart ou Beethoven), aumenta a criatividade. Mas isso é verdade?

Um estudo publicado no início deste ano decidiu colocar essa suposição à prova. Essa era a premissa: as pessoas eram separadas em dois grupos – um que ouvia um tipo específico de música enquanto trabalhava em uma tarefa de criatividade e outro que ouvia silêncio. Três experimentos diferentes usaram essa configuração para testar o impacto dos diferentes tipos de música.

  • Música com letras desconhecidas (idioma espanhol) x silêncio
  • Música com letras familiares (em inglês) x silêncio
  • Música instrumental sem letra x silêncio

Nos três estudos, descobriu-se que ouvir música diminui significativamente o desempenho no teste de criatividade. Não importava se a música tinha letras ou não. Não importava se a música estava em um idioma compreendido ou não. O que claramente surgiu foi um padrão sugerindo que, em todas essas condições, a música resultou em pior desempenho.

Antes dessa série de experimentos, alguns estudos mostraram evidências de que a música aumenta a criatividade, mas esses estudos mediram a criatividade usando algo chamado Tarefa de Usos Alternativos (que pede às pessoas para indicarem várias maneiras criativas de se usar um objeto, como um tijolo ou um clipe de papel). Nos últimos anos os cientistas se afastaram dessa medida porque ela falha em capturar o “pensamento convergente”, que se refere ao processo de fazer conexões entre conceitos aparentemente distintos para chegar a uma solução nova e criativa.

Nos estudos de 2019 os pesquisadores usaram a Tarefa Associada Remota Composta (CRAT), que é uma forma melhorada de medir a criatividade baseada em insights e a criatividade verbal. Neste tipo de tarefa as pessoas recebem três palavras (dial/dress/flower) e devem gerar uma quarta palavra que conecte as outras três (sun). Assim, o CRAT é uma melhor avaliação do processo criativo que se passa no cérebro de um escritor.

Em suma, os estudos de 2019 fornecem fortes evidências de que, ao contrário da crença popular, ouvir música realmente prejudica o processamento criativo dos escritores para produzir seu trabalho. Mas e se você não aguentar o som do silêncio ao trabalhar? Não se preocupe, aqui está uma solução simples. No terceiro experimento, além do grupo de música e silêncio, eles também incluíram um terceiro grupo que ouviu ruído ambiente (conversas distantes, digitação, farfalhar de papéis) enquanto trabalhava na tarefa de criatividade. Os resultados mostraram que esse grupo de ruído ambiente apresentou desempenho equivalente ao grupo de silêncio (e melhor que o grupo de música). Portanto, se você ouvir música enquanto escreve, considere alternar para o ruído de fundo ambiente.

Na verdade eu cheguei a essa conclusão há alguns anos atrás. Embora tenha ouvido música instrumental enquanto escrevia meu primeiro romance, desde então me afastei dessa abordagem. Atualmente, ouço sons da natureza. Se estiver quente lá fora, sento no meu deck e escrevo enquanto ouço sons de pássaros e vento percorrendo as árvores. Mas quando o clima frio me leva para dentro, eu acesso o YouTube e ouço vídeos de sons da natureza – córregos murmurantes, ondas do mar, grilos ao redor de uma fogueira, aquilo que melhor se encaixar no local e no humor que estou tentando capturar em minha cena. Além disso, pesquisas mostram que estar exposto à natureza de qualquer forma é um incentivo natural à criatividade (veja meu post “Pegue um pouco de ar fresco” para aumentar sua criatividade).

Meu autor favorito Stephen King certa vez afirmou que ouviu Metallica e Anthrax para fazer a sua criatividade fluir enquanto escrevia. Mas parece que ele também se afastou dessa abordagem. Em uma entrevista de 2011 no The Atlantic, King declarou: “Agora eu só escuto música quando reescrevo. Eu não ouço música mais quando componho. Não posso. Perdi a capacidade de executar várias tarefas dessa maneira!” King atribui a mudança à idade, mas, na verdade, a música é uma distração para o seu cérebro, não importa a sua idade. Como resultado, ouvir música enquanto escreve ou trabalha pode prejudicar a sua capacidade de ter aquelas ideias geniais necessárias para o processo criativo. Portanto, da próxima vez que estiver escrevendo, desligue sua música, remova esses fones de ouvido e sente-se em um parque, em uma cafeteria ou em uma biblioteca para obter um impulso de criatividade necessário.